24 de fev de 2010

On 08:47 by Dihego Feliciano   Sem comentários
“Não sejas incrédulo, mas crente”. 
João 20.27 

Aqui no Brasil a palavra crente significa protestante. Não deveria ser assim, porque o vocábulo é muito anterior à Reforma Religiosa do século XVI. Remonta aos tempos do Novo Testamento, quando os primitivos cristãos eram chamados de crentes. Havia, então, uma notável e sutil diferença entre o crente e o descrente ou entre o crente e o incrédulo. A diferença entre o crente e o descrente é tão grande como a diferença entre a justiça e a iniqüidade, entre a luz e as trevas, entre Cristo e Belial (2 Co 6:14-15). A chave do problema encontra-se nesta exortação de Jesus a Tomé: “Não sejas incrédulo, mas crente” (Jo 20.27). A Nova Versão Internacional registra: “Pare de duvidar e creia”. No sentido mais solene e original da palavra, crente é aquele que crê em Cristo, no Cristo das Escrituras Sagradas. Só essa fé produz perdão de pecado e salvação. Só essa fé liberta o pecador da escravidão do pecado e o transforma em nova criatura. Se assim é, pare de duvidar e creia! Torne-se um verdadeiro crente em Jesus e junte-se a outros crentes para que haja fortalecimento mútuo. fonte: Amigos DT http://blogamigosdt.blogspot.com/2010/02/pare-de-duvidar-e-creia.html

0 comentários:

Postar um comentário